Docente em micropigmentação : O desafio!

Docente em micropigmentação : O desafio!

A escolha de uma escola para aprender Micropigmentação nunca é uma tarefa fácil. É preciso olhar para os valores éticos, a relação custo x benefício oferecida, localidade, horários, transporte, estrutura, objetivos da escola, entre outros, mas, claro, o corpo docente. 

Este último, por vezes, acaba ficando em segundo plano em vista dos demais pontos mencionados, enquanto ele merece muito destaque, pois fará toda a diferença no seu curso. É muito importante escolher uma escola que, logo de início, faça questão de colocar à disposição do aluno a qualidade do corpo docente que a compõe.

Parece importantíssimo que o professor siga uma Metodologia de Ensino, não basta dominar as técnicas e ser um potencial artista, o profissional terá que dispor de um método para poder passar suas técnicas para os alunos e agregar ainda conhecimento sobre linguagem corporal, oratória e comunicação eficaz.

As relações intrapessoal e interpessoal devem existir em um cenário de troca equilibrada, onde o professor atua com seu método e o aluno entrega a sua participação efetiva.

Para tanto, o método para ensinar a arte de micropigmentar deve ir além do óbvio e permanecer muito dentro das questões didáticas e emocionais do processo de formação do potencial micropigmentador.

É assim que trabalham os grandes mestres da Micropigmnetação, tornam-se extremamente qualificados e capacitados, isso faz parte do processo de posicionamento no mercado de trabalho. A formação desse profissional que irá ministrar o curso é um ponto principal na segurança sobre criação de um método. As bases da técnica de micropigmentar devem ser respeitadas e passadas de forma idônea, cumprindo com o propósito de edificar a técnica e edificar o conceito- Micropigmentação- Arte e técnica de realçar, embelezar e corrigir.

 As experiências profissionais anteriores e  os valores éticos pessoais do profissional condizem com o foco no curso de qualidade; respeito; empatia na profissão; responsabilidade social; preocupação com desenvolvimento de produtos e equipamentos, e abertura ao diálogo através da participação de palestras, conferências e encontro de profissionais.

O exemplo que um mestre em micropigmentação dá aos seus alunos é algo que perpetua por toda a carreira. Gestos, palavras, ações e frases ditas marcam a essência de cada aluno. Essa relação entre aluno e professor deve ser respeitada e valorizada. O aluno passa a confiar em seu professor e com isso, desenvolve respeito e se coloca à disposição para se dedicar e dar o seu melhor. 

A dedicação do aluno é conquistada mais facilmente quando o professor aplica o método com excelência, na verdade, mais do que um método de ensinar é preciso aperfeiçoamento dessa aula, adquirindo experiência no dia a dia, a sala de aula é sempre um ambiente a novos desafios. É preciso ter em mente que é impossível agradar a 100% dos alunos, e é através de experiências que o professor aprimora seu método.

É preciso ter consciência de que o trabalho de ensinar pessoas a micropigmentar rostos leva  em consideração que não basta ter um dom ou um real desejo de aprender a técnica, para aprender a micropigmentar é preciso ter boa vontade, que vai muito além de ‘força de vontade”, porque a força acaba mas a Boa Vontade  permanece, ela é composta de ações diárias, de constância e determinação, com isso, é importante lembrar que a mente e  corpo irão passar por um processo contínuo, onde a busca da perfeição é inútil, para se micropigmentar com excelência o céu é o limite e a perfeição nunca é alcançada, mas sim o aperfeiçoamento constante que é o fator mais relevante para se obter sucesso com os procedimentos.

Dominar a arte de embelezar é de fato um desafio, exige muita técnica mas existe um ingrediente que não pode faltar que é a paixão pelo negócio da Micro. Muitos desistem porque não desenvolvem a paixão pela arte a ponto de passar por desafios desde domínio da técnica até a disposição de enfrentar o tempo que isso leva para acontecer. 

Para tanto, é fundamental que o professor ouça o relato do aluno antes dele iniciar o andamento das aulas, o professor que conhece as dores desse aluno, que entende as suas objeções e objetivos, e que conhece cada aluno individualmente, esse professor consegue com mais facilidade levar conteúdo para esse aluno, acertando mais em cheio a porta de entrada dos saberes dessa pessoa.

 A análise do Canal Sensorial (auditivo, cinestésico, visual) é uma ótima dinâmica para se utilizar em sala de aula, esse conhecimento visa potencializar a abertura para o aprendizado. Alguns alunos se dão bem estudando com vídeos da internet, outros não abrem mão de ouvir podcasts. E tem ainda a galera viciada em escrever e ler em voz alta fichas de resumo. Essas diferenças não são aleatórias. Mesmo sem saber, eles estão escolhendo métodos adequados à personalidade delas. E essa pode ser a melhor maneira de fixar conteúdos, de acordo com os especialistas, que separam o aprendizado em três tipos: visual, auditivo e cinestésico

A somatória composta por aluno e docente deve ser bem expressada no sentido de contribuição em 50% do aluno e 50% do professor, o equilíbrio de trocas não anula a hierarquia onde o professor veio primeiro no sistema e processo da Micro, e com isso, deve ser honrado e respeitado.  Quando ambos trabalham em conjunto para o desenvolvimento da técnica, através da ética na construção de uma classe de profissionais de respeito e de convivência sustentável, com práticas de disciplina tanto em casa como no curso, o resultado é diferenciado.

Enfim, de uma forma geral a instrutoria da Micropigmentação tem tomado espaço no mundo da beleza, existem instituições que levam o ensino a sério e muitos profissionais solo que desempenham um papel importantíssimo na formação de novos profissionais.

Trata-se de uma carreira promissora e próspera porque faz realmente a diferença na vida das pessoas.


Imprimir